Fatores de risco adicionais à Escala de Braden: um risco para úlceras de pressão

Marisa Hans, Júlia Valéria de Oliveira Vargas Bitencourt, Flaviana Pinheiro

Resumo


Estudo quantitativo que tem por objetivo analisar a presença de fatores de risco de úlceras de pressão (UPs), adicionais à Braden, com 134 clientes internados no CTI do Hospital Mãe de Deus, em maio/ junho de 2010 com aprovação dos comitês institucionais: 39/2010; 353/10. Realizou-se coleta de informações do prontuário dos clientes, com instrumento estruturado. Dos 134 clientes, 43 desenvolveram UP, com fator de risco adicional à Braden: infecção, sepse, corticoides, noradrenalina, ventilação mecânica, edema, diabetes mellitus, insuficiência respiratória aguda, doenças inflamatórias, respectivamente com um p <0,001 e neoplasias e doenças imunossupressoras com p <0,05, assim, com significância estatística. Entretanto, sem possibilidade de comparação significativa, considerando o reduzido quantitativo de estudos, tratando da problemática. Portanto, na avaliação do risco das UPs devem ser agregados outros fatores, visando a otimização das medidas de prevenção e qualificação assistencial, além de haver mais estudos permitindo a comparação.

Descritores: Úlcera de Pressão, Escala de Braden, Prevenção.

Additional risk factors related to Braden Scale: a risk for pressure ulcers

This is a quantitative study that aims to analyze the presence of risk factors for pressure ulcers (UPs), in addition to Braden, with 134 clients admitted to the ICU of the Mother of God Hospital in May / June 2010 with the approval of institutional committees: 39 / 2010, 353/10. We carried out data collection from medical records of clients with structured instrument. Of the 134 clients, 43 developed UP, with the additional risk factor Braden: infection, sepsis, corticosteroids, noradrenaline, mechanical ventilation, edema, diabetes mellitus, acute respiratory failure, inflammatory diseases, respectively with p <0.001 and immunosuppressive diseases and cancers p <0.05, thus statistically significant. However, without the possibility of meaningful comparison, considering the small quantity of studies, dealing with the problem. Therefore, the risk assessment of UPs must be added other factors in optimizing the prevention and care skills, and be more studies allowing the comparison.

Descriptors: Pressure Ulcers, Braden Scale, Prevention.

Factores de riesgo adicionales a la escala Braden: un riesgo para las úlceras por presión

Se trata de um estudio cuantitativo que tiene por objectivo analizar la presencia de factores de riesgo de úlceras por presión (UP), además de Braden, con 134 pacientes admitidos a la UCI del Hospital de la Madre de Dios en mayo / junio de 2010 con la aprobación de los comités institucionales: 39 / 2010, 353/10. Se llevó a cabo la recopilación de datos de los registros médicos de los clientes con instrumentos estructurados. De los 134 clientes, 43 desarrollaron UP, con la Braden factores de riesgo adicionales: infección, sepsis, los corticosteroides, la noradrenalina, la ventilación mecánica, edema, diabetes mellitus, insuficiencia respiratoria aguda, enfermedades inflamatorias, respectivamente, con p enfermedades <0,001 e inmunosupresores y cánceres p <0,05, por lo tanto estadísticamente significativa. Sin embargo, sin la posibilidad de comparación significativa, considerando la pequeña cantidad de estudios, para tratar el problema. Por lo tanto, la evaluación del riesgo de UPS hay que añadir otros factores en la optimización de la prevención y técnicas de atención y ser más estudios que permitan la comparación.

Descriptores: Las úlceras por Presión, Escala de Braden, La Prevención.

Referências


Lobosco F. O enfermeiro atuando na prevenção das úlceras de pressão. Rev Eletrônica Quadrimestr Enferm. 2008;13:1-15.

Paranhos WY, Santos VLCG. Avaliação de risco para úlceras de pressão por meio da escala de Braden, na língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP. 1999;33(N. Esp.):191-204, 3. Souza CAC, Santos I, Silva LD. Apropriação de concepções de Neuman e Braden na prevenção de úlceras de pressão. Rev Enferm UERJ. 2004;12:280-5.

Fernandes LM, Caliri MHL, Haas VJ. Efeito de intervenções educativas no conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre prevenção de úlceras pressão. Acta Paul Enferm. 2008;21(2):305-11.

Rogenski NMB, Santos VLCG. Estudos sobre a incidência de úlceras por pressão em um hospital universitário. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(4):474-80.

Petrolino HMBS. Úlceras de pressão em pacientes de UTI: incidência, avaliação de risco e medida de prevenção [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2002.

Fernandes NCS. Úlceras de pressão: um estudo com pacientes de unidade de terapia intensiva [dissertação]. Natal: Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2005.

Costa IG. Incidência de úlceras de pressão e fatores de risco relacionados em pacientes de um Centro de Terapia Intensiva [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP; 2003.

Jorge SA, Dantas SRPE. Abordagem multiprofissional do tratamento de feridas. São Paulo: Atheneu; 2003.

Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabarra Koogan; 2000.

Júnior Andrade J, Sales L. Sepse Brasil: estudo epidemiológico da Sepse em unidade de terapia intensiva brasileiras. Rev Bras Ter Int. 2006;18(1):9-17.

Ribeiro AG. A pele. In: Ribeiro AG, Sardenberg LM, Sandenberg JAGN. Tratamento de feridas. Goiânia: AB Cultura e Qualidade; 2004. p. 27-31.

Oliveira GMM. Influência da noradrenalina na mortalidade dos idosos com choque séptico. Rev SOCERJ. 2005;18(3):254-60.

Zeitoun SS. Incidência de pneumonia associada à ventilação mecânica em pacientes submetidos à aspiração endotraqueal pelos sistemas aberto e fechado: estudo prospectivo - dados preliminares. Rev Latinoam Enferm. 2001;9(1):46-52.

Fernandes LM. Úlceras de pressão em pacientes críticos hospitalizados. Uma revisão integrativa da literatura [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP; 2000.

Hess CT. Tratamento de feridas e úlceras. Rio de janeiro: Reichmann & Affonso; 2002.

Cunha NA. Sistematização da assistência de enfermagem no tratamento de feridas crônicas. Olinda: ABEn/PE; 2006.

Borges EL. Feridas: como tratar. Belo Horizonte: Coopmed Ed. Médica; 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.